quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Eu, o relógio e o cimento.

Eu, sozinho e confuso em meu apartamento,
Varrendo a vaidade como flores ao vento,
Comendo a castanha estragada em meio ao cimento,
Estabelecendo metas como se fosse dono do tempo.

Eu, sozinho e confuso em meu apartamento,
Rasgando as contas deixadas pelo tempo,
Observando o relógio como se fosse um monumento,
Beatificando santos que antes eram cimentos.

Eu, o relógio e o cimento,
E a vaidade,e a castanha,
E as flores, e o vento,
Sozinho, confuso, no tempo.

11/01/2010

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Depois do granizo...


Dois fatos internacionais em Guarulhos neste mês de setembro:

1º A chuva de Granizo que 'parou', 'animou', 'embelezou' a cidade (sempre lembrando que a última coisa que tinha parado realmente a cidade tinha sido o PCC). E
2º O evento Concertos Internacionais que deve passar com uma boa onda sonora de música no dia 26/09.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Amnésia total.

Temos que esquecer, uma hora temos de esquecer de tudo, amnésia total. O arroz no fogo ou a chave. Este é seu ponto de fuga. É um perdimento total. Não é crime não! Os 'modernos' acham que sua cabeça é um hd, mas, não é. Agora, cuidado! Arroz queimado, ficar fora de casa, é uma coisa, esquecer da recente história de 200 anos de opressão e tapa na cara, é outra. Vale o ditado que mainha disse 'quem bate esquece, quem apanha lembra' e por'aí vai.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Reformar.

'O que é reformar? Reestruturar? Não seria procurar dar nova forma àquilo que já existe, mas está defasado? Reconstruir dentro do que não está bom ou bem?
Os governos fazem reformas... As pessoas fazem reformas –em casa, no corpo, nas suas próprias vidas, etc-E as reformas existem, somente porque algo realmente está ruim. Reformar é diferente de revolucionar. Se, está bom, porque reformar? Será que os ideais não passam por reformas? Quem pensa, não pode reestruturar seus pensamentos? Ou reformar suas idéias?
Até onde vai seu censo de mudança? Existe um certo limite... Existe uma medida certa para mudança, para reformar, concorda, caro (a) leitor (a)? Quero uma legenda constitucional que me faça estar dentro desta própria sociedade que cresci. Chamam este mero direito de revolução? Eu chamo de reforma.'

Cerveja, Palmeiras e Buteco do Nildo: essa prosa saiu de mais um dia de sábado na casa do norte do Nildo (Guarulhos), juntamente com filósofos e cientistas sociais e escritores da mais ordinária categoria.

08/2008

terça-feira, 14 de setembro de 2010

A bala perdida.

Ontem, passei por uma bala perdida,
ela vinha em minha direção, toda descabida,
não sei se foi por causa da bebida,
sai da frente e ela passou pela minha vida.

Eu não chamo isso de sorte,
foi a bebida que me deu suporte,
e a bala seguiu na direção do norte.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

em Guarulhos: Núcleocisne de Incômodo Urbano

Lucas da Feira




Marcos Franco (pesquisa e roteiro), Hélcio Rogério (ilustração) e Marcelo Lima (pesquisa e roteiro) irão lançar nos próximos dias o quadrinho: Lucas da Vila de Sant'Anna da Feira. No Aberto 2010 do CUCA e coquetel oficial de lançamento dia 24/09, no MAC - Feira de Santana.

Sinopse: Quem foi Lucas da Feira? Até hoje não existem dados precisos que detalhem quem foi o negro que se rebelou contra a sociedade escravocrata em que viveu. Sabe-se que atuou nos arredores da atual cidade de Feira de Santana, nos começos do século XIX, atacando tropeiros que iam ou vinham da Feira do Gado. Alguns dizem que fazia isso para depois repartir com outros negros e pobres, outros afirmam que nunca passou de um psicopata desumano. Longe de responder a essas questões, a obra Lucas da Vila de
Sant’Anna da Feira busca dialogar com diversas fontes, oficiais ou não, para mostrar uma história possível da personagem, suas motivações e assim reapresentar esse mito histórico brasileiro para os leitores do século XXI.


Rede: http://roteirizandohq.wordpress.com/

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Flor

Não cabe a mim, poeta, ofender uma flor.
Você é uma flor.
suas muitas cores...
seu cheiro aromático...
denunciam que é mesmo uma flor.

Não caberão minhas ofensas em teu pólen.

apenas observo-te
incomodado com as cores e o cheiro.
e em silêncio
passo
passo a passo
em busca de novos bosques.



pirenco